Leão

Eu queria diminuir esse sentimentalismo todo ou parar com o que você tanto chama de drama. Eu queria, mas deve ser um defeito em modo automático e eu já não sei como lidar. Eu digo que não e quando eu vejo, cá estou eu cobrando de você algo que deveria ser espontâneo.



Nós somos seres humanos e às vezes é normal querer sumir no primeiro abismo quando nem tudo for flores.

Eu também queria correr.

Mas eu sempre olho para trás e quando eu te vejo lá, moço, eu não consigo mais caminhar pra longe de ti.

É que eu não sei fingir frieza, eu não sei bancar o cara equilibrado, eu não sei mais como é que se faz pra ignorar alguém que a gente não quer ignorar.

Eu respiro fundo.

Eu te beijo de olhos fechados e tenho certeza que o meu paraíso particular é exatamente aqui, neste ponto na terra onde você estar.

Eu me desarmo.
Tu sabe que eu te amo.
Eu sei que te amo.

Eu te amo e. Às vezes dói.

Breve observação da saudade

Cheiro de sabonete da Granado. Cabelos finos e lisos. Ainda sinto o toque, fecho os olhos, respiro. Sua voz baixa e rouca ainda chamando o meu nome. Ou errando o meu nome. Me relembra que não mais.



Eu sonho contigo, mas você não.

A playlist do vizinho me lembra que hoje é quarta. Amanhã, como todos os outros dias, você não vem. O conhecido que revejo na rua te manda abraços, mas amanhã você não vem mais.

Toda vez que eu perco a distração. Toda vez que eu me sinto sozinho. Toda vez que eu me pego chorando. A brisa entra pela janela do ônibus – bagunça meu cabelo – e eu aceito isso como carinho teu. E agradeço a Deus por este breve ponto da eternidade que você esteve presente em minha vida.

Julieta, se eu repito teu nome é porque eu sei que tu jamais vais me deixar. Eu sei que olhas por mim. Que sempre será recíproco. Que apesar de todas as circunstâncias, ainda és o meu bem. O meu amor estrela guia. A minha pessoa preferida nesta vida.

A minha saudade mais bonita.

Meu Bem, Meu Bem

Eu olho para você dormindo sobre meu peito. Respiração lenta e profunda. O quarto estar a meia luz porque a iluminação da rua ainda entra pelas entranhas da janela. Nós respiramos fundo. Eu mergulho fundo.

Menino. Você é tão bonito.



O ventilador faz um barulho maior do que o calor que ele nunca espanta e por este breve segundo, antes de fechar os olhos e cair no sono, eu penso que a vida é boa. Menino, a vida é tão boa. Meu amor, eu desejo que isso seja infinito e se prolongue para muito além da vida. Eu quero acordar todos os dias desta minha breve existência e ter a consciência do meu amor por ti. E ti perceber bem aqui.

Do meu lado.

Eu tenho tantos motivos para agradecer ao universo por ter feito esse alinhamento cósmico que te trouxe até aqui, que às vezes, eu ignoro todas as minhas responsabilidades e todos os pesares desta vida só para dormir até tarde contigo e não me arrependo disso. Eu tenho tantos motivos para sorrir que às vezes até choro...

Você me bagunça.

Ainda nesta vida, se o destino me permitir e eu não sofrer nenhum acidente letal ou perca a memória ou sofra de alguma doença degenerativa, eu quero me casar contigo. Eu quero que tu sejas muito feliz. Eu quero te proporcionar isso.

Amorzinho.