Ainda moro no 3º andar

Vi no reflexo do espelho a moça cortar todo o meu cabelo. Eu tinha ido ali pra mudar em mim o que lembrava você. Ainda que apenas o cabelo não bastasse, eu precisava me permitir te esquecer, e isso incluía me livrar dos principais detalhes. Mas acontece, meu amor, que tudo em mim ainda tem a ver contigo. É só me olhar neste maldito espelho que eu lembro de tudo que a gente viveu e de como a gente viveu juntos. Tá difícil ignorar esse sentimento agora. Andar sozinho por ai me dá impressão de que todo mundo presta atenção no meu jeito desastrado. Eu to tendo crise de ansiedade. Eu to tomando calmantes. Eu voltei a fumar.



E agora, sinto te dizer que fiquei bem feio com o cabelo cortado na zero. Você costumava achar um charme meu jeito desajeitado de usar o cabelo bagunçado. Se por acaso a gente voltar qualquer dia — o que eu acho improvável — saiba que ainda vai levar um tempo até crescer o suficiente pra tu enfiar os dedos e me fazer cafuné ate eu pegar no sono. Eu gostava de te fazer feliz. Eu me esforçava pra te fazer feliz. Mas hoje joguei no lixo aquela jaqueta Jeans surrada que você sempre pediu pra eu usar nos dias de cinema e que tu sempre pegava emprestada pra sobreviver ao frio durante a sessão inteira. Comprei cuecas novas, fiz a barba, aparei os pelos. Agora parece que eu tenho 23 ainda. Só parece, porque meu espirito é de um viúvo da terceira idade. A tristeza não passa, meu bem, eu só choro. Meus amigos dizem que eu estou mal. To tentando ser diferente de mim, porque até as batida do meu coração me lembram do tanto que eu ainda te amo. To tentando mudar o habito, os planos pro futuro, os trejeitos, os vícios de linguagem, o roteiro, o meu conceito do que é viver, porque tudo isso ainda te inclui. To fugindo de mim, pra quem sabe assim, eu possa encontrar aquele cara que eu era antes de conhecer você. Também vou mudar de apartamento e vender a mobília. Também vou mudar de cidade. Também vou jogar no lixo todos os travesseiros e cobertas que guardam o teu cheiro. Também vou cobrir a tatuagem que eu fiz com tuas iniciais. Também vou conseguir te esquecer um dia. Mas meu bem, veja bem, não esta sendo nem um pouco fácil te lembrar a cada esquina que eu passo nessa cidade. Tá tão difícil tomar café sozinho na padaria do seu Otávio. Tá tão difícil ver Grey's Anatomy e não ter ninguém pra discutir sobre. Tá um caos ter que existir. Tá um caos ter que conviver com o fato de que o amor da minha vida, tá se entregando a outros caras por ai.
Quanto mais o tempo passa, mais aumenta a saudade de você.

1 Comentário

  1. Adorei o seu texto =)
    Já estou seguindo o blog, adorei aqui! Retribui?

    Beijos,
    http://blahblahblahpop.blogspot.co
    e
    http://raylullaby.blogspot.com

    ResponderExcluir

Se você realmente leu, me importa sua opinião. Fique a vontade...