Que é pro caso, de o (acaso)...


Abril. Silêncio. Frio. Dor. Desilusão. Saudades. Estou fechando as portas agora, sorrateiramente me escondendo atrás desse rosto, com cara de quem é forte e que não está nem ai pra nada. Da próxima vez, quando quiser entrar, pule o muro, a campainha não irá mais toca, e eu não mais abrirei a porta desta pequena casa esquecida do lado de fora do que realmente importa. Porque já não ah mais chave, e não mora mais ninguém aqui dentro…

Não é como antes moço, que estava só partido. Agora, dessa vez, me arrancaram a outra metade. Esta faltando uma parte, esta faltando o andar que sustentava todo meu é-difício.

Daqui pra frente às coisas começaram a perder o sentido. As palavras. Os textos. Os desenhos. As cartas. Os sonhos. O planos... Estão se desfazendo, como a chuva que escorre pelo meu telhado agora...

Então, deixe que se vá. E só por hoje, se quiser chorar, chore. Se quiser ficar sozinho, fique. Deixe que as nuvens em seus olhos molhem, deixe que chova pelo menos hoje à noite. Porque amanhã será um novo dia – mesmo que nada tenha mudado de verdade.

Só não se permita ficar assim para resto da vida. Um dia, quando as lágrimas secarem, a vida continuará, como sempre...
“Essa é pra você e pra mim, que ainda choram sorrindo. Que acreditam com toda força que amanhã será um novo dia, que iremos acordar, abrir a janela, tomar um café, e não mais voltar a pensar naquilo que nos faz triste...”

5 Comentários

  1. Mais uma vez sobre coisas que o tempo sempre dá um jeito de concertar... "

    ResponderExcluir
  2. E vale muito acreditar no amanhã! Uma hora o sol ou mesmo o vento secam essas lágrimas e não restará nem as marcas!!!

    Adorei o texto!
    Grande Abraço

    ResponderExcluir
  3. Quem sabe um dia algo mude, não é mesmo?
    esperamos que um dia mude.

    ResponderExcluir
  4. Amei o blog, muito lindo mesmo. Parabéns, vou sempre voltar aqui (:

    ontendency.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, amigo Rick!
    Seu conto é uma poema em prosa, dramático como a poesia lírica e retrata bem o suplício do amor não correspondido.
    O ambiente é uma bela paisagem, digna do entrecho.
    Sua narrativa dar um colorida especial à fabulação.

    Parabéns pelo alumbramento!

    Abraços!

    ResponderExcluir

Se você realmente leu, me importa sua opinião. Fique a vontade...