Entardeceu

Silêncios...
Hoje faz silêncio aqui no morro. De um jeito que nestes 18 anos de vida eu nunca tinha visto, ou melhor, ouvido. Uma calmaria tão grande que – se não fossem as construções irregulares, a marginalidade, a pobreza e o aperto – seria um bom lugar pra viver. Hoje, com esse céu profundamente escuro que deixou as estrelas caírem como luzes nas casas aqui embaixo, com este silêncio sereno e este vento frio, eu posso dizer, com certa emoção, que existe paz aqui. É claro que isso não vai durar, eu sei, mais é neste pequeno intervalo de tempo em que as coisas se acalmam, que você me vem à cabeça. É quando a rotina, a pressa e os desesperos passam, que eu me permito lembrar...


Sabe Romeu, eu gostaria que estivesse aqui, desejo isso de uma forma tão grande que me sinto um grão de areia quando vejo o quanto isso é improvável. Ando me esforço ao máximo pra te materializar aqui do lado, mais com todo esse tempo fica difícil te trazer de volta pra cá. A não ser quando a brisa bagunça meu cabelo – porque pode ser que não seja verdade – mais toda vez que me lembro de ti o vento sopra na minha direção e eu o aceito como abraço seu, apertado. Hoje o morro está lindo moço, lindo apesar de feio e sujo, lindo porque o céu está sem estrelas e porque as luzes aqui embaixo brilham mais. E eu queria passar essa pequena fração de tempo observando a cidade e discutindo contigo sobre os muitos livros que tenho lido e só se acumulam porque não tenho tido ninguém pra conversar sobre eles. Hoje sinto falta de teus olhos me observando em silencio. Hoje, eu sinto falta de companhia, da tua especificamente, porque tu bem sabe que está só sempre foi confortável pra mim... Eu nunca desejei tanto que após a morte houvesse vida, como agora que desejo te reencontrar. Eu quero viver, ser feliz por aqui sabe, mas ao mesmo tempo eu me pego pensando o quanto seria frustrante esperar todo esse tempo e no fim, saber que no fim será o fim de verdade. Porque se for assim, eu prefiro viver mais só pra ter chance de ti lembrar por mais tempo. Eu sei que pode ser que sim, e ao mesmo tempo que pode ser que não, o fato é que de todas as coisas que se podem pedir a Deus, a única coisa que eu peço é que tu ainda esteja ai, e que seja uma verdade esse reencontro. Tenho saudades de ti menino, uma saudade bonita que me remete ao tempo que tu ainda andava na minha rua e subia pra discorrer sobre seu dia na laje aqui em casa. As manhãs, tardes e noites em que as únicas coisas que nos união eram as diferenças, as vontades, as coisas, enfim... Eu não sei, eu não sei porque fui te conhecer só pra ter a infelicidade de não te ter mais, e por ter a infelicidade de te perder tão cedo e por ter gostado de você de uma maneira que nunca vai acabar. Pelo visto a vida está se acostumando a parti meu coração e me ver sorrindo por ter ficado com as lembranças. Eu fecho os olhos e antes das lágrimas, sinto vontade de sorrir... As saudades sempre ficam, depois que você guarda por dentro, não tem voltas. E eu guardei você, as lembranças e as saudades, tudo num canto que sempre será seu, e se isso é pra sempre – ou enquanto houver vida – eu fico feliz.

10 Comentários

  1. Enquanto houver vida, as recordações ficam, se perpetuam, saem do papel, mas habitam a memória. Para isso elas servem, para que recordemos, ao mesmo tempo que seguimos em frente.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Tudo passa nessa vida e essa tristeza, um dia, também passará e vc vai sorrir novamente.Acredite!

    Texto e blog lindos.Gostei muito daqui.

    Grata pela visita.Será sempre bem vindo.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Pra hoje só uma saudade composta por urgências e um amontoado de cansaço de quem queria só não sentí-la.

    Bonito teu lugar, moço. À propósito, tu és de São Luís ou só mesmo a fotografia do post?

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu moro aqui.. Essa parte da cidade é linda mesmo...

      Excluir
  4. As recordações ficam para isso mesmo, para recordarmos. É bom poder tê-las, porque podemos sorrir, seguir em frente e mesmo assim não esquecer que já não pertence ao mesmo mundo que nós. Lindo texto!
    Eu estou bem. E o Rick?
    Bjos.

    ResponderExcluir
  5. A dor da saudade pode ser mais cruel, mas é ironicamente mais reconfortante do que a dor de não ter vivido, sempre!
    Abraço, texto belíssimo!

    ResponderExcluir
  6. Oi Rick lindo seu espaço! sobre o texto você tem razão a saudade sempre fica e as lembranças guardadas no coração muitas vezes são grandes tesouros né?

    Gostei muito das músicas que tocam aqui :)
    Um Super Abraço
    Estrela,Flores...Melancia

    ResponderExcluir
  7. Boa noite Rick, tudo bem? não tem como ficar sem elogiar seu cantinho, tão cheio de paz e conforto, com esse lindo texto.. sempre que posso dou uma passadinha por aqui pra ver se tem novidades.. assim que tiver novos post me avise que verei na mesma hora.. quando puder da uma passadinha la no meu cantinho tambem deixando um simples oi.. saudades.. e tenha uma boa semana ;)

    http://t-alvez-p-oeta.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. rick, é sempre uma surpresa boa e inspiradora visitar o teu espaço.

    ResponderExcluir
  9. Tem saudade que dura para sempre, que fica guardadinha em algum canto da memoria, que mesmo sem querer acabamos lembrando.. tipo a minha saudade de um moço distante perdido por ai, que vez ou outra fala cmg hehe

    ResponderExcluir

Se você realmente leu, me importa sua opinião. Fique a vontade...