Teu silêncio

Você nunca disse que me ama. Quer dizer, nunca abriu a boca pra dizer isso. Mas, se é mesmo verdade que os olhos não mentem, eu sei que a verdade por trás dos teus olhos também não. Você é um desastre com as palavras cara, mas se a gente olhar bem, tu te entrega facilmente com teu jeito de olhar. Antes de tu sorrir, teus olhos dão risada. E hoje mesmo enquanto repetia um trecho do Morros Do Ventos Uivantes pra ti, eu percebi que era amor o que eu via no cristalino dos teus olhos ao me observar. Era como se, neste breve momento da eternidade, nós estivéssemos ligados por um elo invisível. Onde um lia o pensamento do outro só pelo fato de permanecer com os olhos vidrados. E foi ai que eu tive certeza, teus lábios até mexeram e sorriram de canto, mas só o teu silêncio gritou pra mim. No fim das contas meu amor, tu acaba que gritando aos quatro canto que tudo isso não passa de um amor tímido e verdadeiro. E infinitamente melhor do que somente ouvir você dizer, é ter certeza de que tudo isso é só um detalhe, porque você já demonstra tudo das mais diversas maneiras possíveis, principalmente com atitudes. E eu sei, teus olhos, teus gestos, teu jeito não mente. Eu sei que tu me amas, mesmo que nunca tenha dito isso...

7 Comentários

  1. I am really impressed with your writing skills as
    well as with the layout on your weblog. Is this a paid theme or did you customize it yourself?
    Anyway keep up the nice quality writing, it is rare to see a great
    blog like this one nowadays.

    Review my blog :: เชียงคาน

    ResponderExcluir
  2. E por acaso existe alguma coisa melhor do que saber? Ontem mesmo tava conversando com uma amiga e chegamos à conclusão que o momento de dúvida é imenso e horrível. Então, saber, meu caro, é o maior privilégio que você pode ter.

    ResponderExcluir
  3. Os olhos estão sempre entregando sentimentos que os lábios escondem.

    ResponderExcluir
  4. Que trecho do livro O Morro dos Ventos Uivantes tu citou pra ela? Lindo texto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não citei ao pé da letra. Mais era aproximadamente isso que eu queria ter dito:
      "Não sei como explicar, mas certamente que tu e toda a gente têm a noção de que existe, ou deveria existir, um outro eu para além de nós próprios. Para que serviria eu ter sido criada se apenas me resumisse a isto? Os meus grandes desgostos neste mundo foram os desgostos do Heathcliff, e eu acompanhei e senti cada um deles desde o início; é ele que me mantém viva. Se tudo o mais perecesse e ele ficasse, eu continuaria, mesmo assim, a existir; e se tudo o mais ficasse e ele fosse aniquilado, o universo se tornaria para mim uma vastidão desconhecida, a que eu não teria a sensação de pertencer. O meu amor pelo Linton é como a folhagem dos bosques: irá se transformar com o tempo, sei disso, como as árvores se transformam com o inverno. Mas o meu amor por Heathcliff é como as penedias que nos sustentam: podem não ser um deleite para os olhos, mas são imprescindíveis. Nelly, eu sou o Heathcliff. Ele está sempre, sempre no meu pensamento. Não por prazer, tal como eu não sou um prazer para mim própria, mas como parte de mim mesma, como eu própria..."

      Excluir
  5. É um saber sem precisar ser dito. É um saber que para ser confirmado dia após dia só precisa olhar para ausência de dúvidas.

    Lindo, Rick. Acho que devo dar uma segunda chance pro Morro dos Ventos Uivantes conquistar o meu coração.

    E não sumo não, mas se não for para somar, eu realmente raramente apareço.

    Um beijo.

    ResponderExcluir

Se você realmente leu, me importa sua opinião. Fique a vontade...