À Deriva

Naveguei, mas o mar ficou agitado demais e eu acabei aceitando com que as ondas quebrassem minha embarcação no meio do trajeto. Cair neste mar incerto sem nadar contra corrente. E no fim, desaguei pelos olhos e desistir do amor... Hoje, ao retirar as ancoras, eu percebi que meu porto seguro agora é o próprio alto mar. E é a deriva, que eu velejo pra qualquer lugar distante de tudo aquilo que não me traz paz. E se não traz paz, não soma, e se não for pra somar, que eu permaneça igual...


Ninguém merece ser só um tapa buracos na embarcação solitária de alguém. E meu bem, se o amor naufragou num desastre, o resto é retirar as âncoras, abrir as velas e seguir à deriva, pra outro a-mar...

7 Comentários

  1. I was suggested this blog by my cousin. I'm not sure whether this post is written by him as no one else know such detailed
    about my trouble. You're amazing! Thanks!

    Review my webpage :: make a new life

    ResponderExcluir
  2. Rick,de fato ninguém gosta de ser "meio" amado. Queremos todo amor porque na verdade merecemos. Se não deu certo o melhor é seguir navegando. Lindo seu texto! bjs,

    ResponderExcluir
  3. enquanto lia Paula Toller cantava na minha cabeça 'Nada Sei'...
    "Nesse mar
    os segundos insistem em naufragar
    Esse mar me seduz
    mas é só pra me afogar"

    belo texto....
    beijo

    ResponderExcluir
  4. Um dia quem sabe funcione... Fico na torcida!!!
    Ótimo fim de semana, Rick!!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. A mare sobe... o barco afunda aprendemos a não nada contra a corrrente acho que é assim que se vive.

    ResponderExcluir
  6. Como escreves bem.

    Nada como o mar e suas lides para servir de inspiração.

    Beijo

    ResponderExcluir

Se você realmente leu, me importa sua opinião. Fique a vontade...