Para sempre, Caio

Você me disse: Você vai encontrar alguém melhor que eu. Disse isso antes de eu abrir a porta e ao sair, aceitar o fato de que você não me queria mais. Acontece. O fato é que, já fazem dois anos e eu nunca mais achei alguém tão leve e seguro de si, como você. É difícil, eu sei, pessoas bacanas neste mundo sobraram poucas, aqui em São Luís então, nem se fala. Eu já tive mais sorte. E não que eu esteja procurando isso em outros caras, mas o que parece é que não existe mais ninguém diferente nesta cidade. Eu nunca sei quando alguém está sendo sincero, também, tenho um medo enorme de estar sendo enganada por esses caras que me colocam na lista de espera de possíveis ficas. Depois de você, jamais confiei em outro homem. Tu não tinhas isso de promessas vazias, de me prometer aquilo que possivelmente, não iria me dá. Tudo que eu tinha era tua verdade. Tua simplicidade. Teu modo de falar, teus vícios de linguagem, as palavras que eu só ouvia da sua boca, o jeito de brincar, o jeito de observar o mundo, o simples modo de digitar e jamais abreviar sequer uma palavra. Eu amava teus detalhes. Eu olho para os lados, e todos os meus contatos são com pessoas vazias, em outras, ainda sou enganada porque as vezes prefiro não julgar. Eu estou tranquila, eu estou bem, eu não tenho necessidades em ter alguém, mas sempre que acontece, eu ainda me permito. Faço isso porque é exatamente a vontade que dá, de tentar, de não perder as esperanças, porque com certeza deve ter outras pessoas bacanas pelo mundo e que possivelmente, pode aparecer na minha vida de uma hora para outra e eu já não posso perder a oportunidade de deixar esse nosso antigo romance para lá... mas acontece que eu ando tão cansada disso tudo, sabe. Eu quero alguém que se aceite e me aceite e que não queira me surpreender a cada momento só para ter controle sobre as situações. O que eu mais acho é homem que só quer me levar para cama. Que me chama para dançar na balada e se não me beija depois da primeira música, já perde o interesse porque só me quer para ser o seu troféu da noite. Quando te conheci, tu foste tão educado. Eu queria alguém educado assim, leve assim, tranquilo assim, alguém que me convidasse para comer um hambúrguer na lanchonete do seu Lorival, que não queira segurar o tempo todo na minha mão, que não corra para o facebook e mude seu status só para ter um status. Quero alguém que não me prenda, que não me controle, que não faça piadinhas quando eu decidir sair para a balada com minhas amigas ou decidir jantar com meu melhor amigo. Alguém que discuta comigo sobre livros, sobre política, sobre o que saiu no jornal hoje ou que simplesmente, abra seu coração e me conte com detalhes como foi seu dia. Quero somente o que for sincero e verdadeiro. Quero alguém que não tenha medo e que me tenha primeiro, como uma boa amiga. Alguém para confiar, para deixar entrar, para saber a senha do celular e mesmo assim não ler nenhuma mensagem porque a confiança é maior que isso. Quero conhecer um mundo interior de alguém diferente de mim, alguém que queira sombra e água fresca ao invés de se entregar a rotina competitiva desse mundo sombrio. Eu ainda não achei ninguém assim. Depois de você, os outros foram os outros, e só. Eu nunca mais esbarrei em alguém realmente bacana. Eu nunca mais esbarrei em alguém que frequente um museu, que tenha um diálogo interessante, que tenha algum livro para me emprestar e correr o risco de nunca mais vê-lo. Eu sou essa pessoa que convida, mas eles são as pessoas que não tem esse tipo de interesse. Eu nunca mais te vi. Nas segundas-feiras você nunca mais voltou. Em alguns sábados, eu nunca mais achei um recado numa folha qualquer do meu caderno da faculdade. Também, nem tenho notícias sobre ti. Se te amei, foi porque você foi a diferença entre essa normalidade chata desse mundo fútil. Se te amei um dia, percebo que não importa o que aconteça ou quantos outros homens eu volte a amar, partes de mim ainda serão felizes ao lembrar da tua existência e esse nosso amor, ainda vai permanecer adormecido dentro de mim. Você foi. E eu fiquei. E nunca esbarrei com esse alguém melhor que você, que você me disse que eu iria encontrar.

3 Comentários

  1. Tomei esse texto como se fosse pra mim, eu não consigo pensar assim, talvez pq não tenha vivido um grande amor, mas em contra partida eu sempre acreditei que guardar certos tipos de memórias, ou "ruminar" os momentos nos fazem mal, pra superar é necessário se permitir mais que antes e escrever novas histórias.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é isso, talvez você nunca tenha vivido um amor assim. Falar é sempre muito fácil, difícil é por em prática quando a gente simplesmente se senti perdido. Acho que se fosse opcional, todo mundo muraria de rumo, escreveria novas histórias. O fato é que até você amadurecer e aprender a lidar com isso, leva um tempo.
      Boa noite, beijos.

      Excluir
  2. Sina de todos nós: conviver com lembranças, detalhes, pequenos vestígios de um passado feliz...Torcendo para que o presente e, sobretudo, o futuro também seja!

    Abraço.

    ResponderExcluir

Se você realmente leu, me importa sua opinião. Fique a vontade...